Topo DVAP2

A Mesa se nos Tornou em Laço e Armadilha

Avalie este item
(2 votos)

A Mesa se nos Tornou em Laço e Armadilha

Hoje acordei pensando num poema de Manoel Bandeira: O Bicho. Ei-lo:

“Vi ontem um bicho

Na imundície do pátio

Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,

Não examinava nem cheirava:

Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,

Não era um gato,

Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.”

Talvez a razão de vir à minha memória tão antigo poema seja o fato de eu me ter deparado com algo semelhante na noite passada: um ser estranho, olhos vermelhos e arregalados, pele escura, queimada do sol; a magreza lhe dava um aspecto cadavérico. Os dentes eram brancos e muitos. Parado a certa distância, apenas olhava-nos, contentes, brincando, sorrindo, como fazem os que não existem, mas apenas vivem. Pensei: ele tem fome. Fiz-lhe sinal com a mão, pedi que se aproximasse. Receoso como um cão, desejava se aproximar, mas, com medo de ser chutado, hesitava. À meia distância, estendeu a mão, pegou a marmita que lhe fora oferecida e desapareceu na escuridão.

Há muitos desses no mundo, não poucos ao nosso redor.

Isso me levou a pensar: eles têm grande vantagem sobre os nós: eles existem. Sim... a dor, a fome, o frio, o medo, os fazem existir. Não apenas eles vivem, como vive qualquer um, qualquer animal, qualquer planta; porém, eles existem, pois conseguiram sair de si mesmos, do fantasioso “mundo de Bob”, e, de olhos bem abertos, enfrentam a vida como ela é. Para eles, cada dia é uma oportunidade; cada oportunidade, uma saída; cada saída, um instante de sobrevivência. Eles de fato experimentam cada momento, sensíveis e atentos a tudo o que se passa ao seu redor.  

Nós, diferentemente, anestesiados pelo ópio da profusão, somos verdadeiros pródigos, perdulários, encasulados no mesquinho mundo individual, particular, próprio. Enganados pela abastança, nos tornamos egoístas e avaros, insensíveis e superficiais. Em que se resume nossas vidas senão no abrir e fechar de portas, no carimbar de papel, no ir ao banco, ao cinema, à igreja, ao mercado? Os dias passam e não percebemos; pessoas nos tocam e não sentimos; olhamos sem ver e ouvimos sem escutar.

Nesse caso, tornou-se verdadeiro para nós o texto sacro: “A mesa se nos tornou em laço e armadilha.”

O mundo moderno – mundo das máquinas, da indústria, do capital – nos automatizou, de sorte que já não existimos, antes, nos tornamos meras engrenagens que fazem girar a roda-gigante do grande parque de diversão.

Já não quero esse mundo para mim. Quero o mundo dos bêbados, dos loucos, das crianças, dos hereges, dos marginalizados, dos Carlitos, dos Paulos, dos Cristos.

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.    

Alexandre Rodrigues

Ler 151 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.